smart contracts

O que são Smart Contracts?

Um contrato é um acordo entre duas ou mais pessoas. E o que faz os contratos inteligentes, isto é, os Smart Contracts, serem diferentes desse sistema?

Os Smart Contracts são como os contratos tradicionais, nos quais são estabelecidos acordos. E o que os difere de um contrato tradicional é que os Smart Contracts são executados via digital com um código em vez de um contrato de papel. Isto o torna mais seguro. Esses dados são executados na blockchain, uma das bases que contribuíram para a criação do Bitcoin.

E mesmo sendo projetados para o mercado de criptomoedas, os Smart Contracts estão sendo utilizados por diversos nichos de empresas. Neles são estabelecidos benefícios, obrigações e penalidades caso haja o descumprimento das regras por alguma das partes envolvidas no processo. Se uma das partes não cumprir o contrato, imediatamente ocorre a penalização.

Outro ponto importante nos Smart Contracts é que eles são pré-programados, isto é, as cláusulas entram em vigor de forma segura, sem a necessidade de que haja intermediários no acordo.

Isso o torna tão seguro que todas as partes envolvidas no contrato têm liberdade para realizarem seus negócios com mais praticidade e agilidade.

Como é o funcionamento de um Smart Contract?

Nos Smart Contracts são acrescentadas cláusulas contratuais que estão no software e no hardware de um computador, de modo que elas sejam cumpridas automaticamente.

E como essas cláusulas são programadas?

Todas as cláusulas são programadas dentro da blockchain e ela garante que as regras sejam cumpridas. Para quem não sabe o que significa blockchain, nós explicamos: a blockchain é um sistema que rastreia informações e transações pela internet.

Quem acha que nunca usou esse tipo de contrato, está muito enganado: uma ordem de pagamento via Internet Banking é um exemplo. A autorização eletrônica para o débito em sua conta e o crédito na conta de outra pessoa foi efetuada utilizando programas de computador.

Outro exemplo é o pagamento de fornecedores. Caso o contrato seja cumprido, imediatamente o pagamento é feito na conta do vendedor. Porém, se houver algum problema, o pagamento não é realizado.

Assim é o funcionamento de um Smart Contract: ele obedece a uma ordem e a cumpre até que o acordo chegue ao fim, sem nenhum tipo de alteração, sendo isso um fator de segurança para ambas as partes.

Vantagens dos Smart Contracts

Os Smart Contracts vão muito além da segurança que oferecem. Vejamos outras vantagens:

  • A execução é verificada e comprovada.
  • Com Smart Contracts é possível que as partes envolvidas possam fazer o acompanhamento.
  • Em termos de privacidade, ele é muito eficiente, já que o acesso se restringe somente às partes envolvidas.
  • Com os Smart Contracts, são dispensados os custos com impressões e autenticações, já que tudo fica armazenado na Blockchain.
  • Há agilidade nas negociações, pois a execução é praticamente instantânea.
  • Com eles, não é necessária a análise de documentos. Assim o processo se torna mais ágil.
  • Como o contrato fica armazenado na Blockchain, não há perigo de perder ou ter algum documento danificado.
  • Com um Smart Contract, a transação é mais confiável, pois o processo garante que os seus dados ou seu dinheiro não possam ser roubados.
  • As partes envolvidas possuem autonomia para negociar, já que não é necessário um intermediador.
  • Os Smart Contracts podem ser utilizados para emissão e controle de cripto ativos ou tokens, marketplaces, redes sociais que funcionam de forma independente, sites de apostas virtuais, cassinos, jogos, aplicativos nos quais há empréstimos utilizando cripto ativos e plataformas onde são realizadas trocas entre cripto ativos e exchanges, entre outras atividades.

Como os Smart Contracts são utilizados no mundo das criptomoedas?

O conceito de Smart Contracts foi desenvolvido em 1995 por Nick Szabo. Havia suspeitas de que ele fosse Satoshi Nakamoto devido ao tipo de escrita de ambos. A ideia que ele tinha era criar uma forma de efetuar uma transação com regras, porém sem um intermediário, isto é, sem terceirização.

Estes contratos permitem diversas novas aplicações financeiras e podem ser usados em serviços descentralizados. Além de agilizar processos descentralizados, os procedimentos também permitem aplicações em criptomoedas e também no mercado de P2P.

No mundo cripto, a moeda digital que mais usa os Smart Contracts é o Ethereum, desde de que o DeFi começou a ficar mais conhecido.

Para utilizar os Smart Contracts com criptomoedas, é necessário ter uma carteira que interaja com as redes blockchains. Por exemplo, você pode comprar um cripto ativo da rede e pagar as taxas de transação com Ether (ETH) da rede do Ethereum.

Também é possível rodar Smart Contracts na blockchain do Bitcoin, porém o processo não foi muito bem aceito devido à escalabilidade e à velocidade da rede. Por outro lado, é possível outras blockchains usarem o Bitcoin em parte de sua programação.

Como foi visto, além de cripto ativos, os Smart Contracts podem ser utilizados para diversas finalidades. Em grandes empresas, é possível economizar com esse processo!

Compartilhe

Leia mais